CRÍTICA: LIGA DA JUSTIÇA

Liga da Justiça/ DC
Oi pessoal, tudo bem com vocês? Assisti Liga da Justiça na pré estreia (15/11) e vim contar para vocês o que achei do filme.

Eis que chega 15 de Novembro de 2017 e o que até então era apenas um sonho para uma jovem fã de quadrinhos e desenhos animados se torna realidade: ver todos os seus grandes heróis juntos no cinema pela primeira vez.
É certo que a Marvel já nos presenteou com essa incrível alegria com o primeiro filme de Os Vingadores, lá em 2012, mas agora é outra história; outra super-equipe. E com Liga da Justiça vem outra alegria, e sem dúvidas, outra ansiedade.

Após o período de embargo da Warner sobre as críticas do filme – o que dividiu opiniões entre as mídias – finalmente venho trazer ao Fala, Mich! a minha opinião sobre o que vi na sessão da pré estreia de Liga da Justiça! Prontos? Vamos lá, SEM SPOILERS!


O longa de Zack Snyder se inicia com um tom melancólico relembrando a perda que o mundo sofreu com a morte de Superman e como ele ficou após esse acontecimento. Apesar do tom, em nenhum momento temos o cinza visto em Batman v Superman: A Origem da Justiça, pelo contrário. Logo de início, Liga da Justiça mostra a que veio: a câmera apresenta belos ângulos que traduzem essa mudança pós-morte de Superman e caminha de mãos dadas com a música Everybody Knows, da cantora Sigrid, o que faz com que o tom melancólico aperte a garganta e encha o coração de pesar.

E já que falei de uma das músicas que faz parte da trilha sonora do filme, confira a playlist completa:



Apesar da introdução a essa nova Terra “sem esperança”, Snyder mostra que ouviu as críticas – mesmo que divididas – de Batman v Superman e os elogios de Mulher Maravilha de Patty Jenkins, e nos presenteia com um filme agradável, divertido, com belas cenas de luta e explicações sucintas. Em bom português: "um filme redondinho".

Já no primeiro ato do longa temos uma sequência de luta cheia de adrenalina entre amazonas e o vilão, que a essa altura todos já sabem ser o titio de Darkseid e um dos seus mais fiéis generais, o Lobo da Estepe (Steppenwolf), interpretado por Ciarán Hinds. Depois de uma sequência de tirar o folego, vêm as explicações sobre as razões do vilão estar na Terra, e nos flashbacks explicativos um personagem muito querido dos fãs da DC Comics aparece apenas por alguns segundos (tempo suficiente para que todos os presentes na sessão fossem a loucura).

O filme segue uma pegada mais leve, mais parecido com Mulher Maravilha do que com Batman v Superman tendo piadas do início ao fim, CALMA!, nada se parece com as piadas dos heróis Marvel, não são do tipo bobas e óbvias, e sim inteligentes e contextualizadas.

É certo dizer que Ezra Miller (mesmo moreno) nasceu para o papel de Barry Allen. Fato é, que o Flash trouxe leveza com seu humor quase ingênuo e diga-se de passagem: Dê adeus as enquetes do tipo "Qual o melhor velocista do cinema, Pietro de X-men ou de Vingadores: Guerra de Ultron?". No quesito efeito visual, o Flash de Liga da Justiça dá "uma poeira" nos seus concorrentes da Fox e Marvel Studios. Para ser justa, seria "uma poeira na velocidade da luz".


O meio humano, meio atlante, Aquaman não deixou a desejar! E Jason Momoa pode facilmente mudar seu nome real para Jason Drogo Aquaman Momoa. O ator parece ser um coadjuvante para seus personagens e o Protetor dos Oceanos é certeiro na tela grande! Apesar de levar as meninas à loucura (não nego!) com seu jeito badass, também fez com que os caras fizessem sinal de rock n’ roll do tipo: “É isso aí!“.

Quero o filme solo do Aquaman pra ontem!

Em Liga da Justiça tivemos também nosso terceiro estreante, o Ciborgue, interpretado por Ray Fisher que apesar de ter gerado muitas dúvidas e discussões nas artes promocionais devido ao seu “porte físico” e ser aproximadamente 99% criado em computação gráfica, também não perdeu em nada para seus companheiros de estréia. Flash, Aquaman e o próprio Ciborgue foram apresentados de forma sucinta, porém satisfatória o que só colabora com a alegria dos telespectadores.

O tom errado que alguns fãs mais tradicionais do Homem Morcego irão encontrar no personagem de Ben Affleck, será um Batman mais falante que o normal, mas em nada devendo quanto a ser o herói que conhecemos. E como visto no fim de Batman v Superman, nosso “Bat-affleck” foi o organizador do clubinho dos super-amigos em busca da salvação do planeta.


Mulher Maravilha. Pausa. Gal Gadot definitivamente é a “liga que une a Liga”, mais uma vez Gadot fez bonito e nos entrega o melhor da Mulher Maravilha. Uma heroína inteligente, forte e bonita, sem o apelo sexual que conhecemos das super-heroínas dos quadrinhos. Mulher Maravilha em Liga da Justiça é aquele momento em que você apenas aplaude. Não precisa palavras.


Pontos positivos falados, precisamos falar sobre Superman. Por mais que uma ou duas cenas tenham feito o público ir à loucura, a presença do Homem de Aço passa quase despercebida. Talvez a Warner Bros preferiu não gastar tanto com a CGI tapando o polêmico bigode de Henry Cavill, que sim, ficou perceptível nos closes e em alguns momentos dava um certo incômodo devido a sensação de "algo está estranho no rosto dele", MAS, o importante é que o riso alegre do nosso bom moço da capa vermelha junto com Ciborgue, já no fim do filme resume bem o sentimento: Alegria de estar viva pra ver um filmão da Liga da Justiça!


Ponto negativo 2 (que provavelmente será tema de divisão entre os fãs): Todos sabem que não existe um bom herói, ou Liga de heróis, sem um bom vilão, e embora Lobo da Estepe seja superpoderoso, megalomaníaco e vilão no melhor sentido da palavra, lhe faltou o carisma típico dos vilões mais amados e odiados, e claro, a caracterização do personagem fez com que parecesse mais um vilão de Power Rangers do que um General de Darkseid.

O que posso concluir é que Liga da Justiça acertou em TUDO que Batman v Superman errou e parece que finalmente Zack Snyder e Warner Bros. descobriram a receita para ganhar (muitos) milhões de dólares! É um filme gostoso de assistir. Ao fim da sessão tive a sensação de estar sentada no sofá de casa vendo um episódio de Liga da Justiça que passava nas manhãs do SBT. (Dá pra imaginar a sensação de alegria, certo?)


Um beijo e até o próximo post! <3

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário:

Postar um comentário

© Fala, Mich! - 2018 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: MS Webdesign
imagem-logo