Resenha: Persépolis


Olá pessoas, me desculpem por não ter atualizado o blog, fiquei sem tempo pra escrever devido a semana de provas e trabalhos. Mas estou de volta, e trouxe a resenha de uma HQ maravilhosa!
As HQs conseguem abordar qualquer assunto com bastante eficácia e fluidez devido a utilização de leitura e visualização de imagens ao mesmo tempo fazendo com que tenha a leveza de palavras juntamente com a fluidez das imagens. E há histórias em quadrinhos sobre tudo! Encontra-se por aí HQs de super-heróis, HQs históricas, HQs românticas, HQs de terror, mas incrível que pareça eu fui ler justamente uma HQ de autobiografia – Persépolis. E não me arrependo disso, essa foi uma das melhores que já li!
Persépolis, HQ de Marjane Satrapi conta a história da autora, uma iraniana nascida em família bastante revolucionaria e mente aberta. Ela herdou a ''alma revolucionaria'' de seus pais e desde cedo já contestava todo o sistema iraniano. Os quadrinhos seguem a trajetória e formação da garota enquanto o seu país passa por duas de suas maiores crises: a revolução islâmica e a guerra com o Irã-Iraque.


Um dos pontos fortes de Persépolis é a critica politica, ela faz critica a uma das políticas mais polêmicas do mundo; a do Irã.
A leveza com que os fatos acontecem é incrível, podemos notar a abordagem á essas questões em vários lugares e formas diferentes, bem explicitas ou escondidas.
A HQ também aborda de modo forte os contextos históricos como a queda do e a Revolução Islâmica no Irã. Mas não somente acontecimentos Iranianos. Com a saída de Marjane do país, são abordados temas mundiais como a revolução sexual, a divulgação do anarquismo além do crescimento e evolução do Punk.

O visual da HQ também é bastante interessante. Os desenhos não seguem o padrão das demais histórias em quadrinhos, eles lembram bastante aquelas xilogravuras de cordel, estilo que eu achei realmente diferente e interessante, apesar de que na ultima parte da HQ as ilustrações tiveram uma queda pequena de qualidade em questão dos retoques e finalizações. Talvez por pressa na hora de finalizar por conta de pressão da editora. Outra coisa não muito legal foi a mudança repentina de foco entre a primeira e a segunda parte.


Persépolis é uma obra muito boa, descontraída, pensante, revolucionaria e cheia de referências.


2 comentários:

  1. Também adorei essa HQ e a sua resenha me fez ter vontade de ler Persépolis mais uma vez. Parabéns pelo blog <3

    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa HQ é maravilhosa *-*
      Obrigada Ju! Seu blog é demais! Acompanho ele! <3
      Beijão! :D

      Excluir

© Fala, Mich! - 2018 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: MS Webdesign
imagem-logo